História e Arte da Estância Turística de Ribeirão Pires - São Paulo
Imprimir

Entrevista com a banda Siderais

Seção: Bandas
Seção: Bandas

Membros (4): Guerra (Vocal) / Adolfo (Guitarra) / Márcio (Baixo e back-vocal) / Aline (Bateria e vocal).
Estilo: Pop Rock.
Data de fundação: Agosto de 2004.
Entrevista de Junho de 2008 com Guerra e Márcio:

 

H&A: Bom, a pergunta clássica que eu faço para todas as bandas: por que o nome Siderais? De onde veio?

logo da banda
logo da banda

Márcio: Quando a gente começou a banda, como toda banda, não tinha um nome concreto, pensamos em vários nomes, começamos com outros nomes que nem deram certo, que a gente nem lembra... E acabamos com Siderais, que vem da banda do meu pai. Meu pai, na década de 70, tinha uma banda com esse mesmo nome, Siderais. Faziam toda a parte de bailes, eventos, e eles tocavam aqui em São Paulo, na região... mas quando meu pai parou de tocar, em 2004 a gente voltou, e aí peguei esse nome – passou pra gente.

Guerra: A influência que a gente pegou deles é também do rock, que eles tocavam Beatles, Credence, então eles tocavam a mesma música da época, assim, da moda.

H&A: E de onde veio esse bonequinho do logo de vocês?

Guerra: Essa logomarca foi um chaveirinho, cara, que a gente tinha, e a gente achou mó da hora e a gente falou "vamos colocar na camiseta!", né. Foi alguma coisa assim. Quem desenhou foi um dos primeiros integrantes da banda, que não está mais hoje, o Renato.

H&A: Mudou muito a formação da banda desde o início?

Márcio: A base mateve desde o começo, só mudou a parte mais do guitarrista – umas três vezes.

Guerra: Mas a base, quem fundou a banda foi eu e o Márcio, e a gente chamou a Aline, que é a baterista, que está até hoje. O Adolfo, que era da primeira formação, ele saiu e voltou agora, e agora a gente está na formação ideal (risos).

H&A: Onde vocês começaram a tocar – os primeiros lugares?

Márcio: Bom. Começar primeiro com a família, né? (risos) Numa festa de aniversário... e a primeira vez pro público aberto, foi lá onde tinha um casarão, aqui em Ribeirão Pires mesmo.

Guerra: É, e depois a gente tocou no É o Casco, e aí começamos a ingressar, começamos a tocar na praça, e aí a gente foi ganhando experiência e começou a tocar no Canoa, começamos a tocar numas baladinhas aqui mesmo, conhecemos muita gente, cara, muito legal... assim, tocar na noite é algo legal mesmo.

H&A: Quando a banda começou todos já tinham uma formação musical parecida?

Márcio: A gente começou todo mundo praticamente no mesmo nível, eu acho que alguns tinham o estudo um pouco mais avançado, mas, assim, todo mundo começou igual, porque a gente estudou junto desde pequeno na escola, os quatro que estão na banda - eu e o Guerra, o Adolfo e a Aline - a gente começou igual, e a iniciação na música, a parte de estudo, foi igual, e posso dizer que deu pra gente estudar bem, a gente continua até hoje estudando.

H&A: Qual foi o lugar de maior prestígio que vocês já tocaram?

Guerra: Acho que foi no Festival do Chocolate do ano passado, foi muita gente, com camiseta da banda e tal, a gente tem patrocínio e a gente sempre manda fazer bastante, e no chocolate ia muita gente, e muita gente com a camiseta. E também tocamos mês passado num lugar na divisa de São Paulo com Minas Gerais que foi em São Sebastião da Grama, com um público muito bom, umas 700 pessoas, e a gente nunca tinha ido pra lá antes. Os organizadores conhecem um pessoal da minha família, e eles viram um show nosso, e eles adoraram e quiseram levar a gente pra lá.

na noite
na noite

H&A: E qual foi o show que vocês mais gostaram?

Guerra: Acho que foi o Chocolate também...

H&A: Vocês têm algum material gravado?

Guerra: Estamos querendo gravar um CD até o final do ano, mas a gente não sabe ainda se vai dar.

Márcio: A gente está com 2 sons prontos pra entrar em estúdio, e mais 3 com a letra pronta.

H&A: Vocês se consideram uma banda de covers ou também compõem?

Guerra: A gente compõe. A gente ta começando a compor agora pra justamente mostrar a nossa cara. Começamos com cover por que não da pra começar sem, pro público e tal. Por que se você tocar na noite com músicas que querendo ou não ninguém conhece, ninguém vai prestar atenção, então você tem que saber mesclar. Saber colocar no momento certo, uma ou outra.

H&A: Quem que compõe na banda?

Guerra: As duas que vão pra gravação são minhas, mas tem letras do Márcio, tem outra da Aline; o Adolfo faz a parte instrumental e tal.

H&A: Quais são os temas das músicas de vocês?

Guerra: Uma eu fiz sobre juventude – assim, amor, romance – e outra de crítica social, com um refrão comercial, pra gravar bem na cabeça. Como a gente é uma banda de pop rock, acho que tem que focar no refrão, pra gravar mesmo. Então é uma crítica social mas com um refrão bem fácil pra gravar.

H&A: Quais são os planos pro Festival do Chocolate desse ano?

Guerra: Bom, vamos lançar as duas músicas próprias.

H&A: Que retorno teve para a banda ao tocar todo ano no aniversário da cidade?

Márcio: Essa parte de tocar num espaço aberto, para um público aberto, ajudou muito. Pessoas bem jovens até pessoas de mais idade vem assistir nosso show, diferente de uma balada e tal que é mais pra jovens.

Guerra: Como a gente é uma banda de pop rock a gente tem que tentar atingir todos os públicos, num lugar aberto, como na praça. Por quê? Porque lá tem crianças, filhos de amigos de nossos pais que às vezes eles levam e gostam, e a gente não pode tocar uma coisa tão pesada, porque às vezes pode acontecer de ter um bate-cabeça e acertar a criança, entendeu? E outra, por ser pop rock tem que atingir todos os públicos de todas as idades. Aí em balada, como é um público mais jovem, dá pra tocar uma coisa mais agitada.


Contatos: (11)4828-2284 / (11)4828-5683; e-mail Este endereço de e-mail está sendo protegido de spam, você precisa de Javascript habilitado para vê-lo
A banda Siderais se apresenta no 4º Festival do Chocolate no dia 01/08/08, às 19h15.
 
Criado e mantido por iD Studio © 2008-2011 - www.idstudio.art.br