Fechar
contatos
Robert Rajabally
iDStudio de Arte & Comunicação
Tel: (55) 11-4268-0685
R. Felipe Sabbag, 200 - 1o. andar - sala 4M1 - centro
Ribeirão Pires - SP / Brasil
e-mail:
Skype: robert.idstudio
OBS: Por favor, não mande currículos! Não estou contratando no momento. Gratíssimo!
Contatos
Quarta, 23 de Agosto de 2017
iD Studio logo

Naturalist Design

idstudio-aulas2016

Redes & Projetos:

LinkedIn Network
linkedin
Bëhance Portfolio
behance
Blog Sintonia
sintonia
Facebook Fanpage
Facebook
Facebook Artist page
Facebook
MartaFotos
MartaFotos
História & Arte
história e arte / natureza
DeviantArt profile
DeviantArt
Espíritos da Natureza
Espíritos da Natureza
Ilustração Naturalista E-mail

Ilustração e Design Naturalista A Ilustração & Design Naturalista que desenvolvo é uma arte de natureza voltada para uma área, conceito e finalidade inteiramente diferentes dos temas ecológico-ambientalistas como os conhecemos. Também não é a chamada ilustração científica para obter um registro preciso das espécies para livros de botânica, biologia ou para ccaenciclopédias e material didático escolar sobre a fauna & flora brasileiras e nem é do tipo de naturalismo que trata de paisagens ou de registro cultural de povos e lugares, já tão bem realizados por tantos artistas de enorme talento no Brasil e no mundo há décadas, para não dizer séculos.

Também não deve ser confundida com arte 'New Age', de fantasia, ou a chamada 'arte fantástica', hiperrealismo, de ficção científica ou mesmo esotérica ou mística para se encontrar um rótulo entre o que já existe. É uma nova forma de ilustração e design de natureza que procura captar e transmitir de forma pura, a presença das Forças Vivas, a Inteligência Elemental, em outras palavras: a Inteligência da Natureza que preside nos bastidores da vida material para representar e principalmente inspirar outra visão e outra atitude para com a Vida a nossa volta, ajudando a ampliar nossa percepção e noção de ecologia e do meio ambiente, tanto para os que já possuem 'os olhos de ver' como para os que ainda não os desenvolveram, poder entrever uma outra realidade que ainda aguarda nosso despertar coletivo.

Este tipo de Ilustração Naturalista foi mostrado pela primeira vez no Brasil na Revista Com Ciência Ambiental (foto) de circulação nacional, pela Editora Casa Latina em 2007 como matéria de capa de 8 páginas, escrita e ilustrada por Robert Rajabally.

bullet Você pode ver as artes e ler a matéria inteira que foi publicada naquela edição aqui.
bullet Para ler uma matéria sobre a História do Naturalista no nosso site H&A/N, clique aqui.
bullet Se você é Artista de Natureza, Científico ou Indígena conheça e participe do nosso site História & Arte / Natureza: aqui.

portfolio Portfolio

Entendendo melhor esse assunto:

O trabalho normal de conscientização ecológico-ambiental, lutar por leis, realizar pesquisas, matérias e denúncias sobre questões ambientais prementes e preocupantes já está sendo feito por diversos grupos sérios no Brasil que possuem o conhecimento e os meios de lidar com esse lado da questão. Meu trabalho então visa atender a um outro lado menos conhecido e menos divulgado mas que se origina em um tipo de conhecimento mundial que também é fundamental para embasar e apoiar aquelas, como se poderá perceber ao consultar todos os ângulos da questão neste site. Uma coisa não substitui outra, pois todas são importantes e cada um deve contribuir como puder com o que souber fazer. Assim sendo, as noções ambientais-existenciais que ofereço aqui serão cada vez mais essenciais de sabermos e estudarmos a fundo se quisermos acertar nas nossas decisões ambientais que não podem continuar a ser tratadas como estão sendo num futuro muito próximo, que exigirá não somente o reparo dos imensos danos já causados como uma nova consciência da realidade que nos cerca para não produzirmos mais danos e sofrimento. A realidade da presença dos Elementais não é algo para ser encarado como sobrenatural ou ligado a alguma religião ou movimento New Age, pois podem ser percebidos e com eles podemos interagir mesmo nesta realidade material densa, ao aguçarmos e elevarmos nossa frequência perceptiva para uma visão cada vez mais ampla e profunda do nosso meio ambiente como já foi há muito tempo atrás. Em suma, esse é o valor acadêmico-humano desse trabalho que inspira e aponta o caminho para essa visão mais profunda dessa Realidade mais ampla que requer apenas nossa Vontade e Integridade Moral para ser conquistada e colocada em prática.

UMA NOVA CONSCIÊNCIA NATURALISTA

Nosso mundo não é apenas isto que vemos, o mundo material. Ele também existe simultâneamente noutros planos ou dimensões, como já se pode comprovar de diversas formas científicas e objetivas. Assim, os animais, os reinos vegetal, mineral e o Homem convivem no mundo material mas também compartilham suas vidas ao mesmo tempo em um plano mais sutil com o Reino dos Elementais e com as Forças Criadoras e Mantenedoras desta Realidade Física que pensamos já dominar. Na verdade, há muito o que se conhecer, estudar e desenvolver ainda nesta área que é muito mais completa e real que a parcial "realidade" física dos 5 sentidos. Essa realidade supra-física ainda não é mostrada com  seriedade, respeito, fascínio, maturidade e com a naturalidade com que deveria já ser na mídia, principalmente da área ambiental, já que estamos falando de Forças Vivas e Inteligências que SUSTENTAM toda nossa realidade física, como intermediários na criação, organização, transformação e evolução da matéria e das outras formas de vida, tornando possível para nós experimentarmos a vida na matéria, uma realidade evolutiva apenas entrevista pelas teorias de Darwin. No entanto, a existência de outras dimensões na Criação já vem sendo demonstrada desde as formulações de Einstein nos anos 50, até a moderna Física Quântica de hoje para que os que ainda aguardam provas para despertar e agir, possam ter claras indicações de que muito mais virá à tona, até pela Ciência oficial do nosso mundo. Da mesma forma como a vida está em toda parte em nossa realidade física, é lógico ver que também haverá muita vida em qualquer dimensão acima da nossa e que as duas possam se interpenetrar até certo ponto, com formas de vida que atuam em zona fronteiriça à essa quarta dimensão, existindo tanto aqui como lá, constituídos de matéria mais sutil mas igualmente reais e com funções reais a desempenhar na Natureza. Essa realidade interdependente e essencial sempre foi mostrada  em profundidade por pessoas íntegras e de grande capacidade espiritual e sensibilidade pelo mundo, mas para nós outros no chamado mundo ocidental urbano ainda resta se dar conta disso em pleno Século 21, tirar o enorme atraso em relação à sua aceitação séria,  entender nossa íntima ligação com essa Realidade e suas implicações, corrigir enganos seculares e finalmente começar a reparar os vastos danos causados (evitando criar novos...) que são também graves danos ambientais desconhecidos da maioria das pessoas, iniciando um estudo organizado, sincero e aberto sobre a verdadeira sinergia entre o Reino dos Elementais e a vida na Terra e seu papel na Sinfonia da Criação no mundo físico da nossa existência, cujo estudo aqui está ainda na infância, relativamente falando.

"Não há fenômenos sobrenaturais ou não naturais, apenas enormes lacunas em nosso conhecimento do que vem a ser natural". - Edgar Mitchel, ex-Astronauta da Nasa e conferencista.

Não se deve ser precipitado aqui e relegar esse assunto a simples crendices, à custa de retardarmos ainda mais nosso entendimento real do que vem a ser o mundo natural à nossa volta, até agora só compreendido na sua maior parte em sua fenomenologia material, como se a vida que a anima fosse apenas um efeito automático a ser preservada mas nunca realmente entendida em sua origem e finalidade, seu desabrochar e sua Evolução na senda do Despertamento da Consciência, cujas revelações ainda temos de descortinar para realmente sabermos nos situar no contexto deste Universo Fiisco cujas causas estão numa Realidade Maior que precisamoa conhecer, começando por admitir sua inegável existência. As intervenções que fazemos diáriamente nos ecossistemas, paisagismo, na definição de traçados para construção de estradas, jardins e parques, na escolha e preparo de terrenos para condomínios e outros tipos de prédios, alterações em cursos d'água e manejo de florestas, para mencionar algumas das principais, precisam passar por esse conhecimento essencial da realidade oculta da Natureza, sem o que nossas decisões, mesmo bem-intencionadas, possuem grande potencial de causar mais dano do que bem com consequências muito graves para nós mesmos que viveremos nesse desequilíbrio enfermiço, o que é muito justo. Os efeitos já estão em toda parte, resta apenas fazermos a "engenharia reversa" noutras bases agora, para entendermos suas verdadeiras causas, causas que continuamos a semear cegamente todos os dias, enquanto nos orgulhamos de nossa civilização, festejando sem fim, nossa cultura e nossa ciência.

Uma visão incompleta da Realidade e suas consequências
moth
Ao passarmos de uma atitude de indiferença e expoliação da Natureza de forma fria e desenfreada para a tendência atual de preservacionismo que procura cercar de cuidados e leis as espécies em extinção, que já é um passo na direção certa, deixamos de entender que a Vida possui um desabrochar e uma ressonância entre suas partes que ainda não estudamos direito pois só pensamos na preservação e sustentabilidade de tudo sem um estudo maior de como a vida se manifesta na marcha da Evolução.  Nosso papel não é só de brandir a bandeira da sustentabilidade para todo lado para garantir os lucros, agradar acionistas e aplacar a sonolenta opinião pública (na verdade vistos mais como consumidores...) mostrando uma preocupação ecológica, enquanto pensamos em preservar 'paisagens e bichos' para nossos netos poderem continuar a 'apreciar' no futuro... Há nisso uma noção muito superficial da realidade, uma visão que oscila entre o sentimental e o puramente utilitário, com profundas contradições como preservar uma espécie que a natureza pode ter marcado para ser extinta por ser já incompatível com a realidade atual (como foi com as espécies primitivas do nosso planeta que gradualmente deram lugar a formas de vida cada vez mais leves e avançadas de flora e fauna), enquanto que marcamos outras para sempre como 'feitas para abate e consumo'. Quem deve sobrevivier e quem deve ser preservado? A baleia mas não o boi? O jacaré primitivo e não os animais que são cobaias de laboratório, úteis por serem reconhecidamente mais avançados por terem uma fisiologia parecida com a nossa? Então protegemos o primitivo e trucidamos de forma cruel o mais avançado, quando este ainda é sacrificado para frequentemente criar remédios que não curam de fato ou só atendem à nossa vaidade? Temos assim uma bizarra forma de sentimentalismo que se importa em proteger a espécie em extinção mas é indiiferente ao que acontece nos matadouros e criadouros para a caça e o consumo de espécies tidas como exóticas? Qual será a consequência "ecológica" disso para NOSSA saúde psíquica e física?

Nossa ciência oficial é responsável pelo grave equívoco de não perceber, ou não querer ver, ou ainda não admitir publicamente, conforme para qual instância hierárquica dela olharmos, que já sabe, que o mesmo Universo que possibilitou a existência do Homem, da sua criação inicial, qualquer que tenha sido sua forma no passado distante, até seu desabrochar como ser pensante que finalmente organiza seus estudos de forma lógica e positiva em forma de ciência que nada faz sem uma finalidade, TAMBÉM é uma criação lógica e que possui uma finalidade idem. Daí a achar que tudo se dá pelo acaso de combinações fortúitas e que nossas ações e omissões não possuem consequências além das físicas são uma chocante supersimplificação da Vida que nunca foi limitada assim, pelo contrário, ela pacientemente aguarda nosso amadurecimento consciencial e moral para nos mostrar mais, ainda mais quando todos os exemplos dessas consequências estão à nossa volta, em nossas famílias e em nós mesmos, mas não desenvolvemos os 'olhos de ver', preferindo o abrigo duvidoso de sofismas e malabarismos intelectuais, acreditando com isso tapar o proverbial 'sol com a peneira', fugindo sempre. Basta ver que, como pesquisadores, não gozamos de fato de liberdade investigativa para desvendar e explorar os limites da nossa experiência neste mundo, estando todas as instituições oficiais, acadêmicas, financeiras e da mídia a serviço de só apoiar o desenvolvimento tecnológico na matéria, reforçar os dogmas e perpetuar o adormecimento e a prisão do espírito às regras desse sistema já quase totalmente amarrado como uma teia em torno do Despertamento da Consciência, onde cada parte já condicionada apóia e policia a outra numa ilusão de unanimidade consentida, com raras exceções. 

Um Valor de Permanência

De um lado o incentivo ao abate com publicidades engraçadinhas e festivas usando crianças e personagens vendendo sua própria carne (!), associando ainda essa aberração a Saúde e Amor(!), um amor água-com-açúcar e, do outro, o sentimentalismo para proteger a fauna para as crianças aprenderem a ter uma 'consciência ecológica' e fazer mais cartazes na escolinha. Tanto no amor meloso como no sentimentalismo ignorante da realidade da natureza, mostramos que ainda não SENTIMOS realmente nada e não sabemos ainda manifestar o Amor. Agora, isso é ajudar a evolução com nossa formação acadêmica, nossas especializações e nossa avançada ciência? E este é só UM exemplo entre muitos que poderia dar e ainda há a premente questão da Inteligência Elemental que realmente sustenta, dá forma e conduz o desenrolar, o transformar e o desabrochar de toda a vida na Terra, segundo um Plano Inteligente que desconhecemos mas massacramos todos os dias! Perceber e incorporar isso é o que chamo de Nova Consciência Naturalista que nossa arte procura apenas inspirar e mostrar o caminho, para que as questões ambientais sejam levadas para além do que tem sido, para que os que possuem os meios, a capacitação pessoal e a formação acadêmica possam começar a corrigi-la, entendendo primeiro o que se passa nos bastidores dos fenômenos materiais que vêem, para depois poder agir de forma mais sábia, verdadeira e eficaz quando forem consultados sobre como intervir nos ecossistemas. Esse novo conhecimento então seria a nova base para decisões politico-econômico-ambientais que terão forçosamente que ser pautadas na Integridade e na verdadeira Justiça, pois se descobrirá que, sem essas qualidades, nenhuma decisão ambiental poderá realmente funcionar e possuir um valor de permanência. 

ncnA História da Humanidade é bem mais antiga do que tem sido admitido para as massas e no conhecimento acadêmico formal, pois já passamos por muitas fases de desenvolvimento da vida e da matéria deste planeta para chegarmos onde estamos, nem todas conhecidas ou admitidas pela Ciência oficial. Como a presença dos elementais sempre foi fundamental para esse desabrochar da vida na matéria, nosso conhecimento e intercâmbio com eles sempre existiu, tanto para o bem como para o mal. Mas com a passagem das eras e ao entrarmos nesta derradeira fase de desenvolvimento racional na matéria, fomos perdendo esse contato naturalíssimo com esses seres cuja realidade é paralela à nossa, a ponto de hoje serem encarados como fantasia para crianças, sinalizando o auge de nossa desconexão com uma Realidade Maior. Se observarmos bem, isso nem é surpreendente já que perdemos contato com muita coisa, até com nós mesmos pois não sabemos mais quem somos ou de onde viemos e com o Criador também que hoje, apesar de todos os avanços científicos e culturais, ainda é objeto de especulação e descrença, reservado como "assunto de foro íntimo", ou seja: separado para o campo das religiões, do acredite quem quiser e claro, para quando temos algum grave problema de saúde ou financeiro e nos lembramos de rezar. É a Vida nessa hora nos forçando a lembrar quem somos, porém "oficialmente", perante a ciência que dita as regras da vida humana, nada disso existe... até que o cientista ou sua família precisem do mesmo tipo de socorro.

Por isso, continuar mostrando essa realidade como 'crendice em duendes' ou para um 'toque de fantasia' na publicidade etc., como tem sido feito com insistência, é sinal da nossa imaturidade, ignorância e irresponsabilidade coletivas e, em alguns casos, de segundas intenções para manter essa realidade no campo das lendas e crenças, perdendo com isso a grande chance de progredirmos, pois há muito tempo causamos grande dano a essas formas de vida pela nossa ignorância de sua existência e finalidade enquanto dependemos delas  para tudo, da agricultura à manutenção da fertilidade e saúde do solo e dos alimentos, das águas ao equilíbrio ecológico do planeta inteiro, da transformação das matérias primas e processos industriais e até para a constituição e funcionamento de nossos corpos, sem sequer nos darmos conta disso ainda! Como se vê, o assunto e as implicações são vastas e um verdadeiro estudo e movimento de justiça ambiental-ecológica não pode realmente existir sem começar por admitir essa realidade para depois chegar a um conhecimento funcional ao menos, dessas forças e nosso real papel aqui até voltarmos a ser co-criadores com a Inteligência da Natureza na transformação sadia e legítima do nosso meio ambiente também no Brasil, como já vem sendo feito em diversas partes do mundo há muitos anos e de forma avançada, com enormes resultados, um fato positivo que pode ser visto aqui, na seção Pelo Mundo que estou montando.

Nossa ciência se tornou, em grande parte, uma proporcionadora de confortos, lucros para grandes empresas e fuga da dor para o cidadão comum quando sua medicina oferece soluções que não realmente curam pois desconhece a verdadeira causa de cada transtorno mental ou físico, enquanto se omite no seu papel de responder as justas e prementes questões existenciais para nortear a vida desse mesmo cidadão comum, tão disputado e visado enquanto consumidor mas que é ignorado como Ser em Desenvolvimento, relegando essa tarefa de orientar e responder a tais anseios, tidos como menores por serem eivados de fantasias e crenças infundadas, para as filosofias e religiões que se contradizem, confundem e combatem entre si deixando o campo livre para o materialismo-positivo reinar (como a única coisa 'sólida e confiável') sem algo que contrabalance essa visão de forma igualmente positiva. Enquanto isso não for feito, continuaremos nosso jogo cego de 'medidas ambientais' (locais ou mundiais) que mais procuram adequar a natureza ao nosso modo de vida, seja pelo descaso, seja pela continuação de uma educação ambiental/ecológica que não leva em conta essa realidade maior ou na exploração cruel e contínua destruição de recursos naturais num atropelo incessante e feroz por mais lucros, a título de progresso e bem-estar, do que ser algo que realmente possa ter algum fundamento e resultado real para conter ou mesmo só atenuar os desequilíbrios crescentes que podemos ver e trazer um verdadeiro bem-estar merecido.

Naturalmente, a situação já é tão grave e complexa de ser resolvida, dado não só o desconhecimento predominante, mas principalmente na quase imobilidade da base cultural-social-econômica já enraizada e pela oposição poderosa do jogo de interesses, supressão de informações e dos estudos sérios, desejo sempre crescente de poder, controle e lucros que possuem uma agenda própria, que pode-se pensar que já seja tarde para mexer nisso e melhor só ficar quieto protegendo nossas famílias e empregos. Mas a verdade é que não há como ninguém escapar do vultoso Choque de Retorno das consequências que virão (e que já vivemos hoje) para todos nós que compartilhamos essa realidade, consequências essas que não são só físicas como também espirituais, independente das crenças de cada um, e transcendem o tempo e a vida atual; assim, qualquer fuga ou proteção é ilusória e temporária, na melhor das hipóteses. Portanto, muito pode e deve ser feito aqui e ali, com exemplos na prática de uma nova agricultura e alimentação, no preparo de novos materiais escolares de educação ambiental para crianças e na admissão de outras áreas de estudo na formação acadêmica, como é feito em diversas partes do mundo.  O ambientalista do futuro terá de ser uma pessoa com uma formação mais ampla e que conheça os mecanismos dessa realidade maior sem tentar forçá-la a se adaptar ao sistema utilitário de exploração humana da natureza e sim aprender a co-criar com ela em harmonia, sabendo que qualquer violação trará consequências. O benefício será primeiramente pessoal e depois terá seu valor do que for possível fazer no mundo, despertando enfim a atenção do cidadão comum para uma outra Realidade em todas as partes deste mundo, tanto na terra como no mar e além, na exploração espacial por exemplo. O gigantismo da proposta pode parecer utópica e pode ser se todos deixarmos como está, mas repito, não poderemos evitar isso para sempre e ainda muito pode ser feito aqui e ali sem pretender mudar o mundo de um dia para o outro. Valerá o que puder ser feito, para quem fizer.

fingertipsMas, voltando ao nosso fio condutor principal, o trabalho do naturalista tradicional sempre foi de coletar espécies animais, minerais e plantas, vivos e já mortos, esqueletos e restos para estudá-las, seja com a observação, seja dissecando-os para conhecer todas as suas partes até ilustra-las, desde os tempos em que a única referência era o desenho preciso e não a fotografia. Esse profissional, biólogo ou ambientalista procura entender o ecossitema, suas interações e o comportamento dos seres na natureza, pois com a compreensão pode vir a definição do que é certo fazer para com cada local ou grupo e entender sua interdependência. Tudo isso já foi um grande avanço, porém de agora em diante, é preciso uma Nova Consciência para o naturalista, pois somente dissecar a forma física até seus componentes químicos não é suficiente para atender nossa noção de Realidade conforme vamos despertando para uma Realidade Maior. É preciso incorporar novos elementos essenciais à sua formação que torne mais legítima e menos danosa nossas intervenções na chamada biodiversidade. A ciência oficial-acadêmica tem seus motivos para obstruir esse nova visão que representa um despertamento da consciência, porém o avanço nessa direção será um dia tão inevitável como foi um dia admitir que a Terra não é plana e nem o centro do Universo e que germes e bactérias, campos eletromagnéticos, assim como o átomo e suas subpartículas, que não podemos ver a olho nú, existem.

Dessa forma, o iD Studio desenvolve arte naturalista nesses moldes carismáticos de coleta e observação do naturalista de campo, porém de maneira um pouco mais profunda do que somente retratar suas formas, procurando uma arte livre de modismos ecológicos ou místicos mas leva a sério o esforço de representar aquilo que há de mais verdadeiro e importante na nossa existência, procurando inspirar essa nova tomada de consciência através de uma nova visualização carismática do mundo natural que nos cerca, entendendo sua ressonância para conosco pois nada está de fato separado e tudo vive, até uma pedra ou barra de ferro, não havendo a fronteira entre o vivente e o não-vivente como se acredita até hoje (fato comprovado científicamente pelo cientista e médico genial, Indiano, Jagadis C. Bose no início do século passado, diante da Real Academia de Ciências da Grã-Bretanha (!), para depois ser sumamente ignorado até hoje...). Nesse âmbito, o Design também parece ter sido muito pouco usado nesse mundo, tão voltado para um materialismo que busca a exclusividade e o status através da estética oferecida pelo design avançado, dai a conjunção de Ilustração & Design Naturalista proposta aqui para inspirar essa outra visão da realidade.

O intangível, a ponte entre os mundos, peneirando o supérfluo e o bizarro, para produzir beleza e comunicação útil e profunda para projetos também sérios e úteis. Esse conceito pode ser cada vez mais entendido, vendo as artes naturalistas deste site, acessando as seções correspondentes e complementares e ainda consultando os textos que tratam do Conhecimento Essencial que estão sendo colocados para consulta da visão de natureza e vida que norteia e fundamenta este trabalho:

Nova Consciência Naturalista Nova Consciência Naturalista
Nova Consciência Naturalista Arte Orientada por Evolução
Nova Consciência Naturalista Conhecimento Essencial

bullet Se você é estudante ou pretende ser ilustrador (de qualquer tipo, não necessáriamente de natureza) talvez queira ver mais sobre a profissão numa matéria sobre isso que postei em nosso site-projeto História & Arte, neste link.

bullet Se você é um artista, pintor ou ilustrador de Natureza, seja científica ou não, entre em contato conosco para participar do novo site-portal dedicado que criamos. Acesse e conheça: História & Arte / Natureza.

artenatural

portfolio Veja algumas amostras de artes finais, idéias e estudos deste trabalho em andamento:

Última atualização em Sáb, 18 de Dezembro de 2010 09:10
 

Ilustração Naturalista

© 2001-2015 iDStudio de Arte e Comunicação - Nenhuma imagem deste site pode ser copiada, reutilizada ou distribuida por qualquer meio sem autorização.